domingo, dezembro 17, 2006

Os Ombros Suportam o Mundo - Carlos Drummond


Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
Tempo de absoluta depuração.

Tempo em que não se diz mais: meu amor.

Porque o amor resultou inútil.

E os olhos não choram.

E as mãos tecem apenas o rude trabalho.

E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.

Ficaste sozinho, a luz apagou-se,

mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.

És todo certeza, já não sabes sofrer.

E nada esperas de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?

Teus ombros suportam o mundo
e ele não pesa mais que a mão de uma criança.

As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
provam apenas que a vida prossegue
e nem todos se libertaram ainda.

Alguns, achando bárbaro o espetáculo
prefeririam (os delicados) morrer.

Chegou um tempo em que não adianta morrer.

Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.

A vida apenas, sem mistificação.


Carlos Drummond

2 comentários:

Angello90 disse...

Hi.

This is very nice blog. Check my blogs:
http://donatecar-angello90.blogspot.com/
This one is about guitars and music
Check new videos =).
http://cookeryrecipes-angello90.blogspot.com/
On the other hand this one contains loads of tasty recipes because it is about cooking. Leave comment and don't forget to tell your friend about it =)

Bye. Kind Regards
Angello90
ads =] pls

Daniela disse...

Reflito ao ler esse poema que maturidade não ter a ver com a idade, e sim com as experiências de vida! Mas, esta precisa ser sentida de forma significativa, para não sermos somente mais um no planeta!