quarta-feira, dezembro 07, 2016

Acordo de noite subitamente - Fernando Pessoa

Acordo de noite subitamente.

E o meu relógio ocupa a noite toda.

Não sinto a Natureza lá fora,

O meu quarto é uma coisa escura com paredes vagamente brancas.

Lá fora há um sossego como se nada existisse.

Só o relógio prossegue o seu ruído.

E esta pequena coisa de engrenagens que está em cima da minha mesa

Abafa toda a existência da terra e do céu...

Quase que me perco a pensar o que isto significa,

Mas estaco, e sinto-me sorrir na noite com os cantos da boca,

Porque a única coisa que o meu relógio simboliza ou significa

É a curiosa sensação de encher a noite enorme

Com a sua pequenez.

terça-feira, dezembro 06, 2016

Para ser popular - Oscar Wilde

A cada bela impressão que causamos,

conquistamos um inimigo.

Para ser popular

é imprescindível ser medíocre. 




Oscar Wilde

segunda-feira, dezembro 05, 2016

Trem-bala - Ana Vilela

Muito linda e especial esta música composta pela Ana Vilela que é uma jovem de 18 anos de Londrina.
Trem-bala nos remete a refletir sobre a brevidade da vida e o enorme valor do momento presente, dos verdadeiros amigos e família.

domingo, dezembro 04, 2016

Riscos - Prince Cristal

Quando não nos apegamos

a pessoas e desejos

nunca teremos

 nosso coração partido.



Vincent van Gogh
Quadro Old Man in Sorrow, 1890
(On the Threshold of Eternity)
Especialmente animado

sábado, dezembro 03, 2016

Só a Natureza é Divina - Fernando Pessoa

Só a natureza é divina, e ela não é divina...

Se falo dela como de um ente
É que para falar dela preciso usar da linguagem dos homens
Que dá personalidade às coisas,
E impõe nome às coisas.

Mas as coisas não têm nome nem personalidade:
Existem, e o céu é grande a terra larga,
E o nosso coração do tamanho de um punho fechado...

Bendito seja eu por tudo quanto sei.


Gozo tudo isso como quem sabe que há o sol.

Fernando Pessoa
como Alberto Caeiro

sexta-feira, dezembro 02, 2016

Desamparo - Cecilia Meireles

Digo-te que podes 
ficar de olhos fechados sobre o meu peito,
porque uma ondulação maternal de onda eterna
te levará na exata direção do mundo humano.

Mas no equilíbrio do silêncio,
no tempo sem cor e sem número,
pergunta a mim mesmo o lábio do meu pensamento:
quem é que me leva a mim, 
que peito nutre a duração desta presença,
que música embala a minha música que te embala,
a que oceano se prende e desprende
a onda da minha vida, 
em que estás como rosa ou barco...?

quarta-feira, novembro 30, 2016

Ausência - Vinicius de Moraes


Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces.

Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.

No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida.

E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.

Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado. 

Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados 

Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada 

Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.

Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face. 

Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada. 

Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu porque eu fui o grande íntimo da noite. 

Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.

Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.

E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado. 

Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos. 

Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir. 

E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas. 

Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

Vinícius de Moraes

terça-feira, novembro 29, 2016

Nesta Estação - Prince Cristal


Como uma triste visão, 
no frio desta estação,
o vento levou o amor.

Só restava a canção,
a ilusão e a dor.

Queria ser sensitivo!
Só conseguia ser invasivo.

Restava parar,
e esperar...
a frieza acabar.

E o amor brotar.

Quando enfim...
o verão voltar !

segunda-feira, novembro 28, 2016

Do You Remember - Phil Collins


Quem não se lembra ...

da primeira paixão
da primeira namorada
do primeiro beijo
da primeira despedida...

Festeje as paixões de sua vida...

E para celebrar eu trouxe para vocês um clássico
Clip sensacional de 1989 do disco
... but seriously.

Do you remember?

Minha música favorita do Phil Collins. 


Você lembra?

Nós nunca falamos sobre isso, mas ouço que a culpa foi minha
Eu ligaria para pedir desculpas
Mas eu não queria desperdiçar seu tempo
Porque eu te amo, mas não consigo suportar mais
Tem um olhar que eu não consigo descrever em seus olhos
Se nós tentassemos, como tentamos antes
Você continuaria a me dizer aquelas mentiras?
Você se lembra?

Parecia que não tinha jeito de fazer as pazes
Porque parecia que você tinha tomado sua decisão
E o jeito que você me olhou me disse
É um olhar que eu sei que jamais esquecerei
Você poderia ter vindo pro meu lado
Você poderia ter me deixado saber
Você poderia ter tentado ver a distância entre nós
Mas parecia longe demais para você percorrer
Você se lembra?

Durante toda a minha vida
A despeito de toda a dor
Você sabe que as pessoas são estranhas as vezes
Porque elas apenas não esperam se machucar de novo
Me diga, você se lembra?

Existem coisas que não vamos recordar
E sentimentos que nós nunca acharemos
Está demorando tanto para ver isso
Porque nós nunca pareciamos ter tempo
Havia sempre alguma coisa mais importante para fazer
Mais importante para dizer
Mas "eu te amo" não era uma dessas coisas
E agora é tarde demais
Você se lembra?

domingo, novembro 27, 2016

Verdade - Prince Cristal


Para o coração e a mente

a ignorância é bondosa, 

mas...

não há consolo na verdade!


O Prince Cristal sempre busca a Verdade pois tem muita fé em DEUS !

sábado, novembro 26, 2016

A espantosa realidade das Coisas - Fernando Pessoa

A espantosa realidade das coisas
É a minha descoberta de todos os dias.
Cada coisa é o que é,
E é difícil explicar a alguém quanto isso me alegra,
E quanto isso me basta.

Basta existir para se ser completo.
Tenho escrito bastantes poemas.
Hei de escrever muitos mais. naturalmente.

Cada poema meu diz isto,
E todos os meus poemas são diferentes,
Porque cada cousa que há é uma maneira de dizer isto.

Às vezes ponho-me a olhar para uma pedra.
Não me ponho a pensar se ela sente.
Não me perco a chamar-lhe minha irmã.

Mas gosto dela por ela ser uma pedra,
Gosto dela porque ela não sente nada.
Gosto dela porque ela não tem parentesco nenhum comigo.
Outras vezes ouço passar o vento,
E acho que só para ouvir passar o vento vale a pena ter nascido.
Eu não sei o que é que os outros pensarão lendo isto;

Mas acho que isto deve estar bem porque o penso sem estorvo,
Nem idéia de outras pessoas a ouvir-me pensar;
Porque o penso sem pensamentos
Porque o digo como as minhas palavras o dizem.

Uma vez chamaram-me poeta materialista,
E eu admirei-me, porque não julgava
Que se me pudesse chamar qualquer coisa.

Eu nem sequer sou poeta: vejo.
Se o que escrevo tem valor, não sou eu que o tenho:
O valor está ali, nos meus versos.
Tudo isso é absolutamente independente da minha vontade.

sexta-feira, novembro 25, 2016

Como nossos Pais - Elis Regina

Como você faz falta, Elis, suas músicas, letras, voz e emoção!
Ouça e Leia
Prince Cristal escolheu a melhor qualidade do som

quarta-feira, novembro 23, 2016

Revolução da Alma - Aristoteles

Ninguém é dono da sua felicidade,
por isso não entregue sua alegria,
sua paz, sua vida nas mãos de ninguém,
absolutamente ninguém.

Somos livres, não pertencemos a ninguém
e não podemos querer ser donos dos desejos,
da vontade ou dos sonhos de quem quer que seja.

A razão da sua vida é você mesmo.
A tua paz interior é a tua meta de vida,

Quando sentires um vazio na
alma,quando acreditares que ainda está faltando algo,
mesmo tendo tudo.

Remete teu pensamento para os teus desejos mais íntimos
e busque a divindade que existe em você.

Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você..
Não coloque objetivos longe demais de suas mãos,
abrace os que estão ao seu alcance hoje

Se andas desesperado por problemas financeiros,
amorosos ou de relacionamentos familiares,
busca em teu interior a resposta para acalmar-te,
você é reflexo do que pensas diariamente.

Com um sorriso no rosto
as pessoas terão as melhores impressões de você,
e você estará afirmando para você mesmo,
que está "pronto"para ser feliz.

Trabalhe,
trabalhe muito a seu favor.
Pare de esperar a felicidade sem esforços.
Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda.
Critique menos, trabalhe mais.

E, não se esqueça nunca de agradecer
Agradeça tudo que está em sua vida nesse momento,
inclusive a dor .

Nossa compreensão do universo,
ainda é muito pequena para julgar
o que quer que seja na nossa vida.

Por fim,
acredite que não estaremos sozinhos em nossas caminhadas,
um instante sequer...
...se nossos passos forem dados em busca de justiça e igualdade!!!


"A grandeza não consiste em receber honras,
mas em merecê-las."
Aristóteles

O autor, “Aristóteles”,filósofo Grego, discípulo de Platão discípulo de Sócrates, escreveu este texto no ano 360 a.C.

terça-feira, novembro 22, 2016

Se eu fosse um padre - Mario Quintana

Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,

Não falaria em Deus nem no Pecado 
muito menos no Anjo Rebelado 
e os encantos das suas seduções, 

Não citaria santos e profetas: 
nada das suas celestiais promessas 
ou das suas terríveis maldições... 
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas, 

Rezaria seus versos, 
os mais belos, 
desses que desde a infância me embalaram 
e quem me dera que alguns fossem meus! 

Porque a poesia purifica a alma 
...e um belo poema 
- ainda que de Deus se aparte - 
um belo poema sempre leva a Deus! 

Mario Quintana

segunda-feira, novembro 21, 2016

O valioso tempo dos Maduros - Mario de Andrade


Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro.

Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas.

As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.

Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.

Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.

Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos.

Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.

As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos.

Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa.

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana, que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade.

Só há que caminhar perto de coisas e pessoas de verdade.

O essencial faz a vida valer a pena.

E para mim, basta o essencial.

domingo, novembro 20, 2016

Maior preciosidade - Prince Cristal

O mundo muda
O sonho passa

A vida se destrói em correr
Vivendo em busca do ter

Perdemos maior preciosidade
Nosso tempo

Sem que nem percebamos
Que nada levamos

Nem dinheiro, nem nada
Somente apenas 
Amar e ser amada

Ame mais sem esperar o retorno
E descubra a linda face da vida entorno



Quadro In The Garden de Pierre Auguste Renoir sec. XIX

sábado, novembro 19, 2016

Reviravoltas - Prince Cristal

Para quem a vida é tempestade virá a brisa. 


Reviravoltas nos acontecem.

No início solidão, medo, tristeza e desesperança.

Aos poucos o entendimento clareia, os sentimentos acalmam e a paz se instala.

Com fé, paciência, perseverança e luta. 

Enfrentando seus medos...

Eles terão medo de você.



Não te amo mais! - autor desconhecido


Não te amo mais

Estarei mentindo dizendo que

Ainda te quero como sempre quis

Tenho certeza que

Nada foi em vão

Sinto dentro de mim que

Você não significa nada

Não poderia dizer mais que

Alimento um grande amor

Sinto cada vez mais que

Já te esqueci!

E jamais usarei a frase

Eu te amo!

Sinto, mas tenho que dizer a verdade

É tarde demais...


Este poema deve ser lido 
como melhor lhe aprouver....
Não é de Clarice Lispector.
Continua sem autoria.

quarta-feira, novembro 16, 2016

Budismo Tibetano

Quem se interessa pelo Budismo? 
Uma filosofia de vida ou religião? 

Um texto longo para quem tem pressa ou curto para quem tem sede de autoconhecimento.

Se quiser conferir, garanto que a história contada pelo Prince Cristal que é Cristão, e não Budista, é interessante!


Em 534 a.C. um jovem príncipe hindu, provavelmente de ascendência mongólica,chamado Siddartha Gautama ,mais tarde, denominado — Buda, o Iluminado — depois de presenciar a morte e o sofrimento humano, tomou uma decisão suprema. Abandonou tudo: a mulher, o filho recém-nascido, a opulência do seu lar e saiu para meditar sobre o sentido da vida.

Cavalgando o seu cavalo branco Kanthaka atravessou o rio que separava o seu principado para nunca mais voltar. Por este ato espiritual foi considerado um herói máximo para a cultura de sua terra. Esta peregrinação foi longa e dolorosa. Inicialmente, rumou para uma floresta, onde, na solidão da natureza, começou a procurar a solução para os problemas da vida.

Não estando, porém, satisfeito, desceu para os vales sagrados do Ganges em busca de ajuda dos sábios que habitavam suas margens. Apesar da boa vontade, os ensinamentos destes mestres se mostraram insuficientes para o que queria: entender o significado da vida e achar uma solução para a angústia e o vazio da mesma. Despediu-se e continuou viagem, inquieto ainda com tais problemas.

Cinco ascetas do Ganges o acompanharam nesta nova fase. Ingressou, então, na escola do ascetismo, segundo a qual a purificação da consciência e a libertação final do sofrimento podem ser alcançados mediante uma mortificação e autoflagelação do corpo para que o espírito viva. Foi tão extremamente zeloso em mortificar o corpo, durante seis anos, que chegou às portas da morte e ainda muito longe do seu objetivo: a paz e a serenidade interior e o reto caminho da vida.

Por isto, abandonou todas as durezas contra o corpo, deixou o jejum de lado e passou a buscar o que pretendia por outro método. Escandalizados com esta mudança, seus cincos companheiros o abandonaram. Ele seguiu.

Sua última peregrinação foi o caminho da meditação, da volta metódica e refletida para dentro de si mesmo para se auto-encontrar e para perceber, de maneira diferente, a realidade interna.

Buda, sentado de pernas cruzadas, com a respiração tecnicamente realizada, sentou-se debaixo de uma árvore, às margens do rio Naranja. Depois de afastar todas as preocupações e idéias negativas, chegou a um intenso grau de concentração interior, obtendo o que ele chamou de unificação da mente (samatha). Volte e contemple a imagem acima.

Através desta concentração 
4 verdades fundamentais:

1 - A essência do mundo humano é o sofrimento.

2 - A mente humana está estruturada em termos de sofrimento. 

3 - A origem do sofrimento é o desejo, apego às próprias necessidades, às próprias idéias, ao que se julga ser a vida. 

4 - A libertação do sofrimento é possível mediante o domínio dos desejos, dos apegos, até a obtenção de sua extinção.Esta extinção dos desejos e do sofrimento é o que se chama de Nirvana.

Sua iluminação visualizou tudo a partir destas quatro verdades: eis a realidade da vida e a solução para seus problemas. O Nirvana seria a eterna tranqüilidade da natureza que segue imperturbavelmente suas leis eternas.

Dois meses depois desta iluminação, comunicou aos cinco companheiros e amigos o resultado obtido. Rumou para Benares, onde estavam, e ensinou-lhes que para chegar à verdade e à realização das quatro grandes verdades fundamentais era necessária uma preparação, uma metodologia que ele chamou:


Oito etapas para as quatro verdades:


1 - Uma visão reta do mundo e das coisas. Só a meditação a dá.

2 - Pensamento reto, controle das idéias e desejos.

3 - Palavra reta, de acordo com o pensamento (reto).

4 - Vida reta, de acordo com a sabedoria das idéias contidas no pensamento. Isto é muito difícil! Geralmente pensa-se de um modo e vive-se de outro.

5 - Ação reta.

6 - Trabalho reto (esforço), profissão reta.

7 - Conhecimento reto implicando em boa instrução e boa ciência.

8 - Meditação reta, como chave de tudo, como fonte conhecedora de nós e auto-reguladora de nossas desordens.


O sofrimento, a insatisfação, os conflitos enfim, são a enfermidade, o desejo ou a raiz da doença.

Pela remoção ou equilíbrio do desejo, elimina-se a doença.

É este o caminho da cura.

terça-feira, novembro 15, 2016

Sonhos - Prince Cristal

Quando eu não tiver mais pra onde ir,
em algum lugar... eu vou te encontrar...

Na minha mente

E assim vou lembrar de você

me deixando voar nos meus sonhos.
os pés na realidade

domingo, novembro 13, 2016

Pensar no estar só - Prince Cristal

Pensar no estar só
Não é de dar dó
É a felicidade do afetuoso
E o relaxar do amoroso

Pensar no estar só
Não é de dar dó
É descansar com som do abstrato
E sentir seu próprio tato

Pensar no bem estar
Não é sonhar com outra metade da laranja

É apenas encontrar a felicidade na própria manga


Pierre-Auguste Renoir
Auto Paint

sábado, novembro 12, 2016

O Físico (The Physician) - Noah Gordon


A dois anos viajei de Londres ate a Pérsia junto com Rob J. Cole, na narrativa de Noah Gordon : O Físico - A epopéia de um médico medieval. Com uma narrativa cheia de surpresas, o livro nos faz mergulhar em uma longa aventura na idade média. Sem dúvida, O Físico é um livro que nos prende até o fim e eu recomendo.

A história começa no ano de 1021(século XI) quando Rob J. Cole ainda adolescente é adotado por um barbeiro-cirurgião chamado Barber ,após a morte de seus pais, e passa a viajar pela Inglaterra ganhando dinheiro através da realização de sangrias, cirurgias simples e vendendo tônicos falsos. Após a morte de Barber , ele continua ganhando a vida do mesmo jeito, porém quando ele conhece um médico judeu que estudou na gloriosa escola de medicina de Ispahan (Ispaã), na Pérsia, com o famoso Ibn Sina, Rob J. decide se tornar médico, a todo custo. Com isso, ele dá início a uma viagem épica com destino à Pérsia.

Decidido a ir a Pérsia, descobre que o único problema estava no fato de que cristãos não tinham acesso às universidades muçulmanas durante as Cruzadas. A solução de Rob foi assumir a identidade de um judeu, ao mesmo tempo em que se envolvia com uma enorme quantidade de fatos verdadeiramente impressionantes. Este livro recria o século XI de maneira tão detalhada que o leitor é levado em suas quase 600 páginas por uma avalanche de autenticidade e imaginação.

Uma saga inspiradora para o nosso momento (século XXI),
de seres humanos fúteis, de mentes tolas, escolhas fáceis e oportunidades desperdiçadas.

Curiosidades:

O título da versão brasileira, O Físico, é um erro de tradução. The Physician, do inglês, significa O Médico. O tradutor teria confundido physician com physicist, que significa físico.

Outros leitores creem que não há erro, já que na Idade Média, época descrita no livro, os médicos seriam chamados de físicos. Em Portugal, o livro recebeu o título de O Médico de Ispahan.

No livro são citados dois médicos reais: Ibn Sina (Avicena) e al-Juzjani, sendo o primeiro o mais importante médico da Idade Média.

Na Pérsia, o Xá Ala ensina Rob J. a jogar um curioso jogo semelhante ao Xadrez, chamado Jogo do Xá.

O filme relativo ao livro não traz nem metade das verdades do livro...



O Prince Cristal recomenda a leitura

quinta-feira, novembro 10, 2016

Canção - Cecilia Meireles

Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
depois, abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar.

Minhas mãos ainda estão molhadas 
do azul das ondas entreabertas, 
e a cor que escorre dos meus dedos 
colore as areias desertas. 

O vento vem vindo de longe, 
a noite se curva de frio; 
debaixo da água vai morrendo 
meu sonho, dentro de um navio... 

Chorarei quanto for preciso, 
para fazer com que o mar cresça, 
e o meu navio chegue ao fundo 
e o meu sonho desapareça. 

Depois, tudo estará perfeito: 
praia lisa, águas ordenadas, 
meus olhos secos como pedras 
e as minhas duas mãos quebradas. 

Cecília Meireles
do livro "Viagem"