quinta-feira, janeiro 12, 2017

Luzes da Ribalta - Charles Chaplin

 Vidas que se acabam a sorrir

Luzes que se apagam, nada mais

É sonhar em vão tentar aos outros iludir

Se o que se foi pra nós não voltará, jamais

Para que chorar o que passou

Lamentar perdidas ilusões

Se o ideal que sempre nos acalentou

Renascerá, em outros corações.

Versão de Limelight
Interpretada na decada de 70 por Maria Bethânia de forma maravilhosa
Composição: Charles Chaplin/ Versão: Antonio Almeida e João de Barro.
Uma homenagem do Prince Cristal aos seus irmãos

Um comentário:

Daniela disse...

Que presente maravilhoso ouvir Maria Betânia cantar "Luzes da Ribalta" de Charlie Chaplin. Interpretação belíssima!! Ainda não assisti a esse filme, mas com certeza ele traz reflexões sobre a vida, as relações humanas que tanto Chaplin priorizava. As "Luzes da Ribalta", quando tudo se acaba na vida do artista, assim como as luzes se apagam quando acaba o espetáculo. Maravilhoso! Beijos.