quarta-feira, abril 26, 2017

Vinte Poemas de Amor nº 11 - Pablo Neruda


Quase fora do céu fundeia entre dois montes uma metade da lua.

Girante, errante noite, a cavadora de olhos.

Quantas estrelas haverá estilhaçadas no charco.

Faz uma cruz de luto entre os meus olhos, foge.

Frágua de metais azuis, noites das caladas lutas, o meu coração dá voltas como um volante louco.

Moça vinde de tão longe, trazida de tão longe, às vezes refulge o seu olhar debaixo do céu.

Queixume, tempestade, remoinho de fúria, passa por sobre o meu coração sem te deteres.

Vento dos sepulcros, leva, despedaça, dispersa a tua raiz sonolenta.

Arranca as grandes arvores do outro lado dela.

Porém tu, moça clara, pergunta de fumo, espiga.

Era a que ia formando o vento com folhas iluminadas.

Por trás das montanhas noturnas, branco lírio de incêndio, ah nada posso dizer! 

Era feita de todas as coisas.

Ansiedade que fendeste o meu peito à facada, são horas de seguir outro caminho, onde ela não sorria.

Tempestade que enterrou os sinos, voltear turvo de borrascas para que tocá-la agora, para que entristecê-la.

Ai seguir o caminho que se afasta de tudo, onde não seja emboscada a angústia, a morte, o inverno,
com os olhos abertos entre o orvalho.

Um comentário:

Daniela disse...

Muito bom ter tido contato com essa belíssima obra de Pablo Neruda por meio do seu blog. Poesias que trazem palavras que arrancam os sentimentos mais escondidos do coração. Beijos!