quarta-feira, maio 03, 2017

Vinte Poemas de Amor nº 13 - Pablo Neruda

Eu fui marcando com cruzes de fogo
o atlas branco do teu corpo.

A boca era uma aranha que corria a esconder-se.

Em ti, atrás de ti, temerosa, sedenta.

Histórias para contar-te à beira do crepúsculo

boneca triste e meiga, para que não estivesses triste.

Um cisne, uma árvore, algo longínquo e alegre.

O tempo da vindima, o tempo maduro e frutífero.

Eu que vivi num porto que era de onde te amava.

A solidão percorrida de sonho e silêncio.

Encurralado entre o mar e a tristeza.

Calado, delirante, entre dois gondoleiros imóveis.

Entre lábios e a voz, algo vai já morrendo.

Algo com asas de pássaro, algo de angústia e de esquecimento.

Da mesma forma que as redes não retêm a água.

Boneca minha, quase nem ficam gotas tremendo.

Mesmo assim algo canta entre estas palavras fugazes.

Algo canta, algo sobe até à minha ávida boca.

Oh poder celebrar-te com todas as palavras de alegria.

Cantar, arder, fugir, como um campanário nas mãos de um louco.

Triste ternura minha, mudas-te em quê de repente?

Quando eu cheguei ao vértice mais atrevido e frio fecha-se meu coração como uma flor noturna.

2 comentários:

Pereira disse...

Muito obrigado. Neruda é coisa fina.

Daniela disse...

Os poemas de Neruda são verdadeiras histórias de vida, de amor! Algo que está tão perto e ao mesmo tempo tão distante, e que restam somente as lembranças, os pensamentos!!! Bela imagem, Prince!!Beijos!!