domingo, abril 16, 2017

Vinte Poemas de Amor nº 7 - Pablo Neruda

Inclinado nas tardes lanço as minhas tristes redes

aos teus olhos oceânicos.

Ali se estira e arde na mais alta fogueira
a minha solidão que esbraceja como um náufrago.

Faço rubros sinais sobre os teus olhos ausentes
que ondeiam como o mar à beira de um farol.

Somente guardas trevas, fêmea distante e minha,
do teu olhar emerge às vezes o litoral do espanto.

Inclinado nas tardes deito as minhas tristes redes
a esse mar que sacode os teus olhos oceânicos.

Os pássaros noturnos debicam as primeiras estrelas
que cintilam como a minha alma quando te amo.

Galopa a noite na sua égua sombria
derramando espigas azuis por sobre o campo.

Um comentário:

Daniela disse...

Belo! Você faz escolhas singulares na escolha das postagens dos poemas em seu blog! Parabéns!